quarta-feira, 11 de abril de 2007

O DRAMA NO ROTEIRO DE CINEMA

Se a metalinguagem permitir, eu digo: parece até que já começou. Para quem gosta do ramo, uma oficina de roteiro para cinema ministrada pelo cineasta cubano Felipe Carrodeguas é um prato cheio.

Bastaram poucas horas para esgotar as 40 vagas oferecidas, mas há vários dias os sortudos participantes esperam com muita excitação. Entretanto, quando a esmola é muita até o santo desconfia, e logo no primeiro dia de oficina o professor responsável, Itamar Nobre, amanhece com uma forte dor na perna. Um pêlo encravado que "virou" furúnculo. Como se já não bastasse, o próprio ministrante também apresenta indisposição. Suspeita de dengue. E nós, alunos, só na ansiedade -- o jeito é esperar.

Dois dias depois. A 9ª Semana de Comunicação à todo vapor. Oficinas pra todo lado, muito corre-corre, palestras por vir e... opa, cadê o tão aguardado roteiro para cinema?

O quadro se agravou. A suspeita de dengue deixou de ser apenas uma hipótese, e o tal furúnculo mostrou-se algo mais sério. Não teve outro jeito: tanto Itamar quanto Felipe necessitaram de cuidados especiais em hospitais.

E agora, o que será dos sortudos azarados? Esperança! Como qualquer bom roteiro que se preze, essa situação será satisfatoriamente contornada.

A oficina, claro, não poderá ser realizada no tempo previsto, mas quem se matriculou não será prejudicado. Quando os responsáveis estiverem bem de saúde, logo organizarão um novo horário para os aspirantes a cineasta.

E esses, que fiquem na torcida por uma melhora de Itamar e Felipe. Afinal, quanto mais cedo eles se recuperarem, mais rápido sairá do roteiro essa oficina de roteiro para cinema!

Um comentário:

Bruno Moura disse...

Faltou algum comentário sobre a ASSEMBLÉIA GERAL DOS ESTUDANTES DE COMUNICAÇÃO. Uma menção que seja... mesmo que de "relance". Faltou uma breve informação, mesmo que de passagem.. Enfim: faltou ALGUMA COISA sobre a AG.